Ir para página princial  
Ir para página princial
17/09/2021
Go to English Version
Ir para página princial  
  home
 
 
 
Conheca o Serviço de Geriatria do HCFMUSP Serviços disponibilizados pelo SGHC Saiba mais sobre Alimentação, Atividades físicas e tambem artigos de especialistas Tire sua dúvida com nossos especialistas. Consulte o nosso Guia Médico Entre em contato conosco
 

Durante os meses do inverno surgem dversas dúvidas sobre como manter a saúde do idoso. Entrevistamos 3 especialistas da equipe do Serviço de Geriatria do Hospital das Clinicas e abordamos de forma completa o tema com um excelente conteúdo.

Idoso sente mais frio?

Sim, embora o envelhecimento leve a diminuição da sensibilidade da pele tanto ao frio quanto ao calor, a produção de calor pelo corpo diminui devido a alterações no metabolismo e na circulação do sangue, diminuição da quantidade de músculo no corpo e frequentemente menor nível de atividade física.


A partir de que idade são necessários cuidados especiais e específicos com a saúde?

Cada idade tem suas necessidades especiais em saúde mas alguns aspectos são importantes em qualquer faixa etária como alimentação saudável, atividade física e qualidade do sono. Após os 60 anos é importante ter mais cuidado ainda pois é nesse período que aumenta o risco de doenças crônicas, câncer, quedas e perda de memória. Especial atenção é necessária com os muito idosos, aqueles com mais de 80 anos.


Quais as principais doenças ou riscos à saúde que acometem os idosos nessa época do ano, além das mais conhecidas como hipotermia, imobilidade, infecções como gripe e pneumonias, doenças respiratórias agudas, e aumento de dores crônicas, como artrites e artroses?

Além das condições acima mencionadas vale citar que a pressão arterial tende a subir conforme a temperatura vai caindo, e que doenças do sistema cardiovascular como infarto e derrame aumentam com o frio. Outra doença que tem relação com o inverno é a depressão, particularmente em localizações em que o tamanho do dia (numero de horas de claridade) diminui muito.


Quais os sintomas da hipotermia e como agir quando detectada?

O sintoma mais precoce e mais importante de hipotermia, além da pele fria é o tremor, no entanto na pessoa muito idosa ele pode estar reduzido.O tremor leva a produção de calor através da atividade muscular numa tentativa de manter a temperatura normal do corpo. Pode haver simultaneamente tontura, fome, náusea e respiração mais rápida. Conforme o quadro se agrava a pessoa pode começar a ficar confusa, falar enrolado, perder a coordenação motora e então ficar sonolenta e até inconsciente. Nessa etapa mais grave a vítima perde a noção de que está frio e de que precisa de ajuda, o que é muito perigoso para alguém sozinho.

O importante é tentar imediatamente aquecer a pessoa. Se a pessoa estiver ao ar livre leve-a para um local fechado e abrigado do vento. Qualquer peça de roupa molhada deve ser removida e substituída por uma seca pois a perda de calor pele pele aumenta com o contato com a água. Aqueça-a com roupas e cobertores. Se a vítima estiver bem consciente ofereça uma bebida quente. E nunca ofereça bebida alcoólica.

Se a pessoa não melhorar e em qualquer caso mais graves em que a pessoa esteja confusa, sonolenta ou com dificuldade para falar leve-a imediatamente a um serviço médico. Se não tiver condições de transportar a pessoa chame o SAMU ligando 192.

 

<b>Quais as dicas básicas para idosos e seus familiares adotarem durante do inverno a fim de evitar problemas de saúde no inverno?</b>

As mão são um importante veículo de transmissão de vírus e bactérias, talvez o mais importante. Portanto uma medida muito simples e eficaz é lavar sempre as mãos. Se você está na rua pode carregar consigo um pequeno frasco de álcool gel e higienizar suas mãos. Esses cuidados são particularmente importantes ao usar transporte coletivo e outros lugares públicos.

Proteja-se do frio. Uma estratégia eficiente é o uso de camadas de roupas. O ar que fica entre as camadas serve como um isolante a mais. Não se esqueça de proteger as extremidades (mãos, pés e orelhas), além da cabeça e pescoço, pois estas áreas podem ser fontes de perda considerável de calor. Os aquecedores são úteis, mas diminuem muito a umidade dor ar, e devem ser usados preferencialmente em conjunto com umidificadores, pra evitar problemas respiratório relacionados ao ar seco.

Não deixe de abrir as janelas ventilar a casa em alguns períodos. Lugares fechados por muito tempo podem criar umidade e favorecer quadros alérgicos.

Mantenha o hábito de expor-se ao sol alguns minutos por dia no início da manhã (antes das 10 horas) e no fim da tarde (após as 16 horas), sem filtro solar, para manter a produção adequada de vitamina D.

Embora no inverno nossa vontade de ingerir alimentos frios diminua, não deixe de ingerir frutas, verdura e legumes crus, pois esse hábito é necessário para manter a ingesta adequada de vitaminas e sais minerais, além de manter o bom funcionamento intestinal.

 

<b>Como deve ser a hidratação nesse período do ano?</b>

A perda de água pelo suor diminui e portanto a necessidade de ingesta de água também. No entanto, os idosos precisam ficar atentos pois a sensação de sede diminui com a idade e pode ficar ainda menor nos dias frios. Assim, matenha a ingesta de pelo menos 2L de água por dia, "lembrando" de tomar água mesmo quando não tiver muita sede. Pacientes com problemas cardíacos e hepáticos graves podem precisar de restrição de água e devem seguir a orientação de seus médicos.

 

<b>Quais as vacinas obrigatórias e qual o nível de efetividade dessas vacinas?</b>

As vacinas obrigatórias de rotina são as seguintes, lembrando que em situações de surto outras podem ser incluidas:

1- Infuenza - Efetividade em jovens é de 70 a 90% e em idosos de 60% (prevenir a doença). Mesmo nos indivíduos que pegam a gripe, seu uso diminui o risco de pneumonia, hospitalização e morte

2- Pneumocócica (pneumonia) - Diminui em 50 a 70% as formas graves da infecção pela bactéria pneumococo. Importante lembrar que outros microorganismos (vírus e batérias) podem causar pneumonia e contra esses agentes a vacina não atua.

3- Tríplice Bacteriana (difteria, tétano e coqueluche). Contra a difteria e o tétano a proteção é praticamente 100%, de modo que casos de doença em pessoas vacinadas adequadamente são muito raros. Já a eficácia contra a coqueluche é menor. A vacina previne as formas graves no entanto pessoas vacinadas podem adquirir as formas mais brandas da doença.

4- Hepatite B - A efetividade varia com a idade. Nos jovens a proteção é acima de 90%. Nos idosos (idade > 60 anos) a proteção é de 75%, que é ainda bastante boa.

5- Herpes Zoster (foi a última a ser incluída no calendário vacinal). A vacina diminui em 40% o risco de ter o herpes zoster e em 60% o risco de ter a neuralgia pós-herpética (dor intensa pelo acometimento de nervos pelo virus) que é a complicação mais comum.

6- Febre Amarela em algumas regiões do Brasil. Mais de 90% dos vacinados produzem anticorpos contra o vírus e o risco de adquirir a doença grave é inferior a 2%

 

<b>Existe alguma recomendação para realizar atividades físicas durante os dias mais frios?</b>

O tempo frio pode desencorajar a manutenção ou início da prática dos exercícios físicos, assim algumas orientações podem garantir que fique com motivação e em forma.

Vista roupas em camadas que podem ser removidas assim que você começa a suar e, em seguida, colocar de volta na conforme necessário. Primeiro, coloque em uma fina camada de material sintético, tal como o polipropileno, que absorve o suor do seu corpo. Em seguida, adicione uma camada para isolamento. Cubra isto com uma camada externa à prova d'água, respirável, se necessário. Coloque luvas, gorros e outros acessórios que podem ser removidos conforme as partes correspondentes começam a suar.

É muito importante beber muito líquido, mesmo que não esteja com sede.

Considere encurtar o seu treino ao ar livre e aumentar progressivamente.

Atenção ao exercitar-se no frio juntamente com ventos intensos ou chuva, pois piora a sensação de frio. Nestes dias preferir atividades em locais fechados.

 

<b>E com relação à reposição de vitaminas, principalmente D e C, o que deve ser observado e praticado? Banhos de sol e alimentos com alto teor dessas vitaminas são suficientes?</b>

A vitamina C é importante para o sistema imunológico, ou seja, a defesa que temos contra gripes e resfriados. É possível manter nossas necessidades com frutas da estação como abacaxi, melão, morango e acerola, além das frutas que conhecidamente contém vitamina C abundante como laranja e limão. No inverno também é importante não esquecer de tomar banhos de sol para garantir a transformação de vitamina D na pele. Durante 15 minutos ao dia, sem protetor solar e portanto evitando o sol forte.

 

<b>O que não pode faltar na alimentação do idoso durante o inverno?</b>

Durante o inverno o nosso metabolismo tem uma tendência a gastar mais energia, por outro lado se comermos mais alimentos calóricos e deixarmos de fazer exercícios físicos, facilmente aumentaremos o peso. Portanto devemos manter uma dieta equilibrada, lembrar de tomar líquidos e ficar de olho na balança.

 

<b>Com a tendência de se ficar mais em casa durante os dias frios, quais são os perigos e o que deve ser feito para manter o ambiente saudável?</b>

Durante o inverno aumentam as alergias como rinite, bronquite e asma, pois além do frio e aumento dos malefícios da poluição, os ambientes mais fechados podem favorecer o aparecimento de mofo. Portanto é recomendado que a casa seja aberta, arejada e iluminada pelo sol. Além disso a troca frequente das roupas de cama, lavar cortinas e ficar de olho em possíveis infiltrações de água nas paredes.

 

<b>Dias frios provocam ressecamento da pele, podendo causar fissuras e rachaduras que podem ser porta de entrada para infecções. Como deve ser feita a hidratação da pele do idoso nesse período do ano?</b>

O envelhecimento da pele deixa a pele mais seca e piora durante o inverno. Portanto é recomendado evitar banhos muito quentes e demorados, além de muito atrito na pele com esponjas. Usar sabonetes neutros e usar hidratantes (evitar aqueles a base de óleo) após o banho. Um bom hidratante é o creme de uréia 10%, encontrado nas farmácias tradicionais ou de manipulação.

 

<b>Com relação às dores crônicas merecem atenção especial nessa estação. O que deve ser feito?</b>

As dores crônicas do aparelho locomotor podem piorar em algumas pessoas em dias frios. Aconselha-se usar apenas medicações indicadas pelo médico, evitando automedicação (especialmente antiinflamatórios). Uma bolsa de água quente pode ser usada por 20 minutos, com significativo efeito analgesic, contudo muito cuidado na preparação e usar uma toalha seca na pele com espessura suficiente para evitar queimaduras. Manter o corpo bem agasalhado também pode evitar a piora das dores.

 

<b>Durante o inverno mudanças bruscas de temperatura seja de um ambiente para o outro ou até mesmo ingestão de alimentos quente e frios subsequentes pode causar prejuízos à saúde do idoso?</b>

As mudanças bruscas de temperatura podem prejudicar nosso sistema de defesa das vias respiratórias, assim vírus ou bactérias presentes nestes locais podem se proliferar e nos deixar doentes.

 

<b>Ambientes com muita aglomeração de pessoas também devem ser evitados nos dias frios?</b>

Os ambientes com muitas pessoas próximas umas das outras podem aumentar a transmissão de vírus respiratórios, e portanto aumentar o risco de gripe, resfriados, laringites, traqueites, bronquites, entre outras.

 

<b>A utilização de aquecedores é recomendada? Se sim, quais os cuidados quando se usa aquecimento elétrico e ainda lareiras e similares?</b>

O uso de aquecedores deve ser cuidadoso. Alguns tipos de aquecedores elétricos podem diminuir a umidade do ambiente.

As lareiras, fogões a lenha e gás e aparelhos a gás podem vazar quantidades perigosas de monóxido de carbono. Todos estes aquecedores podem aumentar os riscos de incêndio.

As chaminés devem ser inspecionadas anualmente e limpas quando necessário.

Use detectores de fumaça. Certifique-se de aquecedores estão pelo menos 1 metro longe de qualquer coisa que possa pegar fogo, como cortinas, roupas e móveis. Mantenha um extintor de incêndio que pode ser usado para vários de tipos de incêndios.

 

<b>DOENÇAS CARDÍACAS: Segundo a American Heart Association (Associação Americana do Coração), o inverno aumenta de 20% a 25% a incidência de doenças cardiovasculares. E no Brasil?</b>

A maioria das pesquisas que envolvem o frio e o coração não são brasileiras, mas temos que ter em mente que aqui, em nosso país, também vivenciamos temperaturas baixas, relacionadas a um maior risco cardíaco.

Com a chegada do inverno e as quedas da temperatura, o frio sobrecarrega não somente o coração propriamente dito, bem como os vasos arteriais, aqueles que levam sangue aos outros órgãos, como o cérebro.

Não precisamos nem ir a São Joaquim (SC), onde mesmo antes do início deste inverno já houve registro de 2ºc negativos, mas em nosso próprio estado, existem locais em que a temperatura ou fica muito baixa, ou sofre mudanças bruscas com quedas significativas ao longo de um mesmo dia, o que também pode ser prejudicial aos idosos.

 

<b>Os idosos são mais suscetíveis ? Porque?</b>

Sim! O envelhecimento, per si, causa alterações no coração e nos vasos arteriais que tornam um idoso mais vulnerável às agressões, quer sejam do próprio organismo, como uma arritmia, bem como tornam também o indivíduo idoso mais exposto às agressões externas, como o frio intenso.

Além destes aspectos, o frio também é responsável por um aumento na pressão arterial, o que pode acarretar em sobrecarga e fazer com que indivíduos saiam de seu “equilíbrio cardiovascular”.

Obviamente que os que já são portadores de algum problema cardíaco passam a ficar mais instáveis ainda, diante da queda da temperatura que ocorre nesta época do ano: existem estudos que mostram que temperaturas médias em torno de 14ºc elevam em até 30% as chances de uma pessoa ter um infarto. Outros estudos demonstram que uma queda brusca em torno de 10ºc eleva as chances de um ataque cardíaco em torno de 7%. Estar em lugares aquecidos e sair para ambientes onde a temperatura está muito abaixo do ambiente aquecido pode ser também prejudicial, pois os vasos do coração (artérias coronárias) com o choque térmico podem sofrer espasmos (contrações) e causar angina ou até infarto.

Para alguns pesquisadores, o estreitamento dos vasos decorrente do frio também pode alterar algumas propriedades do próprio sangue, tornando-o mais viscoso, ou menos fluido, o que dificultaria sua circulação em vasos previamente acometidos. Daí a maior incidência não só de infartos, bem como de acidentes vasculares cerebrais.

 

<b>Quais os cuidados necessários para se evitar sobrecarga no coração do idoso?</b>

Em primeiro lugar, cada um deve ter ciência de seus fatores de risco: é óbvio que um fumante, obeso, com colesteol alto e diabetes torna-se de maior risco diante de qualquer agressão, como o frio, grande altitudes ou ambientes mais poluídos.

Cabe ressaltar, entretanto, que a falta de sintomas em idosos não os exime da possibilidade de serem portadores de algum problema, o que torna imperioso que cada um tenha seu controle médico periodicamente efetuado.

 

<b>Qual o perigo da combinação alimentação mais pesada no inverno com menos atividade física?</b>

A recomedação é prudência! Diminuir a atividade física e ingerir alimentos mais calóricos e em maior quantidade implica em ganho de peso, o que é deletério!

Com moderação, as chances de uma complicação são menores.

Cuidado especial deve ser dado àqueles que viajam para estações de inverno, geralmente em locais de altitude maior que as da cidade de são paulo. A estes, as recomendações de atenção devem ser intensificadas, pois já que outros fatores (como a altitude) entram em cena, o recomendável é uma dieta mais balanceada e atividade física supervisionada.

 

<b>Estar agasalhado durante a atividade física é importante?</b>

Tendo em vista que a exposição ao frio não é aconselhada, estar agasalhado é uma maneira de se proteger contra os reveses do choque térmico, já descritos.

Cabe ressaltar que a ponderação deve ser no intuito de se proteger e não a ponto de causar suor intenso, o que pode acarretar em desidratação.

 

<b>Alguns especialistas recomendam atividades físicas para idosos durante o inverno em ambientes fechados?Isso procede e porque? </b>

A provável explicação pata tal recomendação se deve à maior proteção pela menor exposição. Desde que o ambiente fechado tenha uma ventilação adequada, não há oposição.

 

<b>Existe algum horário melhor para a prática de atividades físicas durante os dias mais frios?</b>

O recomendável é que esta atividade seja feita nos horários em que o frio é menos intenso, provevelmente em torno do meio-dia. Também é importante que, ao praticar a atividade, esteja devidamente agasalhado, desde que sem exageros, pois o suor exacerbado pode levar a desidratação, sem contar que grande parte dos idosos acha, equivocadamente, que por estarmos em uma estação mais fria, precisamos de menos água, o que é um engano...

 

<b>Outras doenças típicas do inverno podem ajudar a aumentar os riscos para as doenças coronárias?</b>

Doenças infecciosas que se tornam mais frequentes nesta época do ano como gripes, sinusites e outras afecções respiratórias podem acarretar em maior trabalho do coração, por aumento da frequencia cardíaca.

Por outro lado, sabe-se que o reflexo da sede tende a diminuir com o aumentar dos anos. Conclusão: uma simples gripe, ou um resfriado comum, com uma ingesta menor de água e outros líquidos podem se tornar doenças mais sérias como broncopneumonias, o que com certeza levará a uma sobrecarga que, se prevenida, poderia ser evitada.

 
 
 
 
 
 
 
 
© GEROSAUDE ( 1982 - 2019 ) - CEPEN Centro de Estudos e Pesquisas em Evelhecimento. Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização, mesmo qir citada a fonte- (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Todos os direitos reservados. Importante: Os anúncios publicados são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou interferência no conteúdo editorial.

Aviso Legal:
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do portal GEROSAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação em temas geriátricos e gerontólogos cujos artigos expressam, fundamentalmente, o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas para o diagnóstico ou tratamento de qualquer doença sem a insubistituível orientação de um profissional competente.
produzido por eadmed